Inovação Social para o Desenvolvimento Sustentável: um caminho possível

Suzanne Nóbrega Correia, Verônica Macário de Oliveira, Maria José da Silva Feitosa, Carla Regina Pasa Goméz

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar como iniciativas de inovação social promovidas pelo Centro de Educação Comunitária Rural  se relacionam com a promoção do desenvolvimento sustentável, através da aplicação do modelo de Mehmood & Parra (2013). Para tanto, realizou-se um estudo de caso descritivo e exploratório. Os resultados apontam que na vulnerabilidade social, as necessidades sociais são caracterizadas pelo fortalecimento da sociedade civil através da articulação dos agricultores em forma de associações e à diminuição do assistencialismo governamental; quanto à viabilidade econômica, a iniciativa investigada proporciona melhoria significativa na renda familiar possibilitando sua participação em representações sociais e em feiras agroecológicas; na sustentabilidade ambiental, os resultados demonstraram que o foco é melhorar a qualidade alimentar dos agricultores e despertar seus interesses para práticas ambientais. Dessa forma, conclui-se que as características da inovação social desenvolvidas pelo CECOR estão relacionadas com a promoção do desenvolvimento sustentável no nível local.


Palavras-chave


Inovação Social; Desenvolvimento Sustentável; Transformação Social

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Abramovay, R. (2012). Muito além da economia verde. Editora Abril.

Around, Thomas & Abrol. (2012). Grassroots innovation for sustainable development: some enduring dilemmas. Proceedings: Global Research Forum on Sustainable Consumption and Production Workshop, Rio de Janeiro, Brazil.

Barbieri, J. C.; Vasconcelos, I. F. G.; Anadreassi, T. & Vasconcelos, F. C. (2010). Inovação e Sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas – RAE, v. 50, n. 2, p. 146-154.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Porto. Edições 70.

Benneworth, P., & Cunha, J. (2015). Universities’ contributions to social innovation: reflections in theory & practice. European journal of innovation management, 18(4), 508-527.

Butkeviciene, E., (2009). Social Innovations in Rural Communities: Methodological Framework and Empirical Evidence. Social Sciences., v. 63, n. 1, p. 80-88.

Cajaiba-Santana, G. (2014). Social innovation: Moving the field forward. A conceptual framework. Technological Forecasting and Social Change, 82, 42-51.

Caron, A. (2007). Inovação social e o papel da indústria. In: FARFUS, D.; ROCHA, M. C. S. (Orgs.). Inovações Sociais. Curitiba: SESI/SENAI/IEL/UNINDUS.

Carvalho, O. D. (1988). A economia política do Nordeste. Secas, Irrigação e Desenvolvimento.

Cloutier, J. (2003). Qu´est-ce que l´innovation sociale? Cahier de recherche du CRISES, n. ET0314, Montreal: UQAM.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum. 2a ed. Tradução de Our common future. 1a ed. 1988. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Dainienė, R., & Dagilienė, L. (2015). A TBL Approach Based Theoretical Framework for Measuring Social Innovations. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 213, 275-280.

Dearing, A. (2000). Sustainable Innovation: Drivers and Barriers. Innovation and the Environment. OECD: Paris, 103-125.

Dietz, R., & O'Neill, D. (2013). Enough is enough: Building a sustainable economy in a world of finite resources. Routledge.

Duque, G., & Oliveira, M. (2007). Comunidade rural e cooperação entre camponeses: os Fundos Rotativos Solidários na Paraíba. In V Congresso Europeu CEISAL de Latino Americanistas, Bruxelas, Bélgica, de (Vol. 11).

Elliott, J. A. (2006). Introduction to Sustainable Development. 3 ed. Routledge Perspectives on Development.

Fachinelli, A. C.; D'Arisbo, A.& Maciel, E. M. (2014) A importância da inovação social e da economia criativa como indutores para o desenvolvimento sustentável. International Journal of Knowledge, Engineering and Management. V. 03, nº 05, p. 276-293.

Farfus, D. & Rocha, M. C. (2007). Inovação social: Um conceito em construção. In. FARFUS, Daniele; ROCHA, Maria Cristhina de Souza (orgs.). Inovações sociais. Curitiba: SESI/SENAI/IEL/UNINDUS. (COLEÇÃO INOVA; V. 2).

França, F. M. C.; Oliveira, J. D. L. de. (2009). As estratégias do Banco do Nordeste para o desenvolvimento sustentável do Semi-árido regional. In: Simpósio Brasileiro sore Meio Ambiente e desenvolvimento sustentável do semiárido, Mossoró. Anais... Mossoró: UERN.

Furtado, Celso. (2004). Os desafios da nova geração. Revista de Economia Política. Vol. 24, n. 4 (96), pp. 483-486, out. e dez.

Gerometta, J., Haussermann, H., & Longo, G. (2005). Social innovation and civil society in urban governance: strategies for an inclusive city. Urban Studies, 42(11), 2007-2021.

Goldenberg, M., Kamoji, W., Orton, L & Williamson, M. (2009). Social Innovation in Canada: An Update. Ottawa: Canadian Policy Research Networks.

Gomes, R. A., & Meneses, V. F. (2010). As políticas públicas de incentivo a (re) pecuarização no semiárido nordestino: desenvolvimento, modernização e recomposição espacial. In VII Congresso Latinoamericano de Sociologia Rural (ALASRU), Porto de Galinhas-PE.

Gonçalves, A. F. (2010). A História dos fundos rotativos solidários no Estado da Paraíba: A construção político-institucional de uma política pública. Gestão Pública: Práticas e Desafios, 1(1).

Harris, J. M. (2000). Basic principles of sustainable development. Global Development and Environment Institute, Working Paper n.04, June

Howaldt, J., & Schwarz, M. (2010). Social Innovation: Concepts, research fields and international trends. K. Henning, & F. Hees (Eds.). IMA/ZLW.

Hulgård, L., & Ferrarini, A. V. (2010). Inovação social: rumo a uma mudança experimental na política pública?. Ciências sociais unisinos, 46(3), 256-263.

Jaeger-Erben, M., Rückert-John, J., & Schäfer, M. (2015). Sustainable consumption through social innovation: a typology of innovations for sustainable consumption practices. Journal of Cleaner Production, 108, 784-798.

Koroneos, C. J., & Rokos, D. (2012). Sustainable and integrated development—A critical analysis. Sustainability, 4(1), 141-153.

MacCallum, D. (Ed.). (2009). Social innovation and territorial development. Ashgate Publishing, Ltd..

Mehmood, A. & Parra, C. (2013) Social innovation in an unsustainable world. In: Mouleart et. al. The International Handbook in Social Innovation: Collective action, learning and transdisciplinary research. Edward Elgar Publishing, Massachusetts.

Michel, A., & Hudon, M. (2015). Community currencies and sustainable development: A systematic review. Ecological economics, 116, 160-171.

Mitchell, G. & Dorling, D. (2003) An environmental justice analysis of British air quality, Environment and Planning A, 35, pp. 909–29.

Moulaert, F. (Ed.). (2013). The international handbook on social innovation: collective action, social learning and transdisciplinary research. Edward Elgar Publishing.

Moulaert, F., Martinelli, F., Swyngedouw, E., & Gonzalez, S. (2005). Towards alternative model (s) of local innovation. Urban studies, 42(11), 1969-1990.

Mulgan, G., Tucker, S., Ali, R., & Sanders, B. (2007). Social Innovation: What it is, why it matters and how it can be accelerated, The Young Foundation. Skoll Centre for Social Entrepreneuship Working Paper, 376.

Nilsson, W. O. (2003). Social innovation: An exploration of the literature.Bibliography prepared for the McGill Dupont Social Innovation Initiative. McGill University.

O’Riordan. (1995). Environmental Science for Environmental Management,Longman, London.

Phills, J. A., Deiglmeier, K., & Miller, D. T. (2008). Rediscovering social innovation. Stanford Social Innovation Review, 6(4), 34-43.

Pisano, U., Lange, L., & Berger, G. (2015). Social Innovation in Europe. An overview of the concept of social innovation in the context of European initiatives and practices. ESDN Q. Rep, 36, 25.

Sachs, I. (1986). Ecodevelopment: Grow without destroying. Sao Paulo: Vertex.

Sachs, I. (2004). From poverty trap to inclusive development in LDCs. Economic and Political Weekly, 1802-1811.

Sachs, J. D. (2015). The age of sustainable development. Columbia University Press.

Sepúlveda, S., (2008). Biograma: metodología para estimar el nivel de desarrollo sostenible de territorios (No. IICA P01-137). IICA..

Silva, R. M. A. D. (2007). Entre o Combate à Seca e a Convivência com o Semi-Árido: políticas públicas e transição paradigmática. Revista Econômica do Nordeste. Fortaleza, 38(3), 466-485.

Soubbotina, T. P. (2004). Beyond Economic Growth: an Introduction to Sustainable Development. The International Bank for Reconstruction and Development/THE WORLD BANK, 2ª Ed., Washington.

Van Bellen, H. M.(2004) Desenvolvimento Sustentável: uma Descrição das Principais Ferramentas de Avaliação. Ambiente & Sociedade – V. VII, nº. 1 jan./jun.

Veiga, J. E. (2005). Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Editora Garamond.

WCED, U. (1987). Our common future. World Commission on Environment and DevelopmentOxford University Press.

Yin, R. K. (2015). Qualitative research from start to finish. Guilford Publications.




DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v10i3.1441

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Administração Pública e Gestão Social e-ISSN: 2175-5787

Editora: Universidade Federal de Viçosa

Google Scholar: Índice h5 6

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

 

 

QUALIS/CAPES

B1 - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO

B2 - CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

B2 - DIREITO

B2 - INTERDISCIPLINAR

B2 - PSICOLOGIA

B2 - SERVIÇO SOCIAL

B3 - ECONOMIA

B3 - CIÊNCIAS AMBIENTAIS

B3 - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA