ACCOUNTABILITY: UMA OBSERVAÇÃO SOBRE O NÍVEL DE TRANSPARÊNCIA DE MUNICÍPIOS

Filipy Furtado Sell, Graciele Lima Sampaio, Vinícius Costa da Silva Zonatto, Carlos Eduardo Facin Lavarda

Resumo


O presente estudo tem por objetivo verificar o nível de accountability nos municípios da Região Sul do Brasil, segregando entre os 10 municípios mais e menos populosos de cada Estado, contemplando 60 municípios. Para identificar o nível de transparência utilizou-se a metodologia adaptada de Keunecke, Teles e Flach (2011) e Speck (2014), após verificou-se a correlação de Kendall para identificar se há relação entre o nível de accountability e os indicadores socioeconômicos e econômico-financeiro dos municípios. Os achados demonstram que o maior nível de accountability foi em Joinville (SC) e o menor em Jardinópolis (SC); e dentre os Estados o maior nível de accountability foi do Paraná, seguido por Rio Grande do Sul e Santa Catarina, respectivamente. Quanto a relação entre os indicadores pode-se inferir que quanto maior o nível de Accountability nos municípios maior tende ser o nível de Desempenho Socioeconômico e o nível do Desempenho Econômico-Financeiro.

Palavras-chave


Accountability; Setor Público; Municípios; New Public Management

Texto completo:

PDF

Referências


Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. (2015). Perfil. Recuperado de http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil/.

Akutsu, L., & Pinho, J. A. (2002). Sociedade da informação, accountability e democracia delegativa: investigação em portais de governo no Brasil. Rio De Janeiro. Revista de Administração Pública. 36(5), 723-745.

Bairral, M. A. C., Coutinho e Silva, A. H., & dos Santos Alves, F. J. (2015). Transparência no setor público: uma análise dos relatórios de gestão anuais de entidades públicas federais no ano de 2010. Revista de Administração Pública, 49(3), 642-675.

Cameron, W. (2004). Public accountability: Effectiveness, equity, ethics. Australian Journal of Public Administration, 63(4), 59-67.

Campbell, C. (1993). Public service and democratic accountability. Ethics in Public Service, 111-133.

Campos, A. M. (1990). Accountability: quando poderemos traduzi-la para o português?. Revista de administração pública, 24(2), 30-50.

Coutinho, M. J. V. (2000). Administração pública voltada para o cidadão: quadro teórico-conceitual. Revista do Serviço Público, 51(3), 40-73.

Cruz, C. F., Silva, L. M., & Santos, R. (2009). Transparência da gestão fiscal: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios do Estado do Rio de Janeiro. Contabilidade, Gestão e Governança, 12(3), 102-115.

Gore, A. (1995). Common Sense Government. Works Better and Costs Less. Third Report of the National Performance Review. US Government Printing Office, Superintendent of Documents, Mail Stop: SSOP, Washington, DC.

Hair, J., Babin, B., Money, A., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman Companhia Ed.

Hood, C. (1995). The “New Public Management” in the 1980s: variations on a theme. Accounting, organizations and society, 20(2-3), 93-109.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2015). Cidades. Recuperado de http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php.

Keunecke, L. P., Teles, J., & Flach, L. (2011). Práticas de Accountability: uma análise do índice de transpa-rência nos municípios mais populosos de Santa Catarina. Revista Contemporânea de Contabilidade, 8(16), 153-174.

Klein, A. Z., Silva, L. V., Machado, L., & Azevedo, D. (2015). Metodologia de pesquisa em administração: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas.

Lapsley, I. (1999). Accounting and the new public management: instruments of substantive efficiency or a rationalising modernity?. Financial Accountability & Management, 15(3‐4), 201-207.

Lei Complementar nº 131, de 27 de maio de 2009. (2009). Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências, a fim de determinar a disponibilização, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp131.htm.

Leite Filho, G. A., Colares, A. F. V., & Andrade, I. C. F. (2015). Transparência da gestão fiscal pública: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios do Estado de Minas Gerais. Contabilidade Vista & Revista, 26(2), 114-136.

Nakagawa, M. M., Relvas, T.R.S., Dias Filho, J. M. (2007). Accountability: a Razão de ser da Contabilidade. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade. 1(3), 83-100.

O’Donnell, G. (1998). Accountability horizontal e novas poliarquias. Lua nova, 44(98), 27-54.

Pérez-López, G., Prior, D., & Zafra-Gómez, J. L. (2015). Rethinking new public management delivery forms and efficiency: long-term effects in Spanish local government. Journal of Public Administration Research and Theory, 25(4), 1157-1183.

Parker, L. D., & Gould, G. (1999). Changing public sector accountability: critiquing new directions. Accounting forum. 109-135.

Peters, B. G., & Savoie, D. J. (1996). Managing incoherence: The coordination and empowerment conundrum. Public Administration Review, 281-290..

Perci, A., Pieranti, O. P., & Rodrigues, S. (2008). Governança e New Public Management: convergências e contradições no contexto brasileiro. Organizações & Sociedade, 15(46), 39-55.

Pereira, L. C. B. (1996). Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço público, 47(1), 07-40.

Pinho, J. A. G. D., & Sacramento, A. R. S. (2009). Accountability: já podemos traduzi-la para o português?. Revista de Administração Pública-RAP, 43(6), 1332-1368.

Platt Neto, O. A., Cruz, F. D., Rolim Ensslin, S., & Ensslin, L. (2007). Publicidade e transparência das contas públicas: obrigatoriedade e abrangência desses princípios na administração pública brasileira. Contabilidade Vista & Revista, 18(1), 75-94.

Pollitt, C., Van Thiel, S., & Homburg, V. (2007). New public management in Europe. Basingstoke: Palgrave Macmillan.

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Humano (PNUD). (2015). Desenvolvimento Humano e IDH. Recuperado de http://www.pnud.org.br/IDH/IDH.aspx?indiceAccordion=0&li=li_IDH.

Ramos, M. P., & Schabbach, L. M. (2012). O estado da arte da avaliação de políticas públicas: conceituação e exemplos de avaliação no Brasil. Revista de administração pública. 46(5), p. 1272-1294.

Raupp, F. M., & de Pinho, J. A. G. (2013). Accountability em câmaras municipais: uma investigação em portais eletrônicos. Revista de administração, 48(4), 770-782.

Rocha, A. C. (2013). A realização da accountability em pareceres prévios do Tribunal de Contas de Santa Catarina. Revista de Administração Pública, 47(4), 901-926.

Romzek, B. S. (2000). Dynamics of public sector accountability in an era of reform. International review of administrative sciences, 66(1), 21-44.

Sacramento, A. R. S., & Pinho, J. A. G. (2007). Transparência na administração pública: o que mudou depois da lei de responsabilidade fiscal? um estudo exploratório em seis municípios da região metropolitana de salvador. Revista de Contabilidade da UFBA, 1(1), 48-61.

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública. 43(2), 347-369.

Secretaria do Tesouro Nacional. (2012). Manual de contabilidade aplicada ao setor público: aplicado à União e aos Estados, Distrito Federal e Municípios / Ministério da Fazenda, Secretaria do Tesouro Nacional (5 ed.). Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional, Coordenação-Geral de Contabilidade.

Schillemans, T. (2015). Calibrating Public Sector Accountability: Translating experimental findings to public sector accountability. Public Management Review, 18(9), 1400-1420.

Schwella, E. (2005). Inovação no governo e no setor público: desafios e implicações para a liderança. Revista do Serviço Público, 56(3), 259-276.

Speck, B. (2014) Metodologia do Índice de Transparência. Recuperado de http://www. http://indicedetransparencia.com/metodologia-2014.

Van Der Hoek, M. P. (2005). From cash to accrual budgeting and accounting in the public sector: The Dutch experience. Public Budgeting & Finance, 25(1), 32-45.




DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v10i4.1972

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Administração Pública e Gestão Social e-ISSN: 2175-5787

Editora: Universidade Federal de Viçosa

Google Scholar: Índice h5 6

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

 

 

QUALIS/CAPES

B1 - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO

B2 - CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

B2 - DIREITO

B2 - INTERDISCIPLINAR

B2 - PSICOLOGIA

B2 - SERVIÇO SOCIAL

B3 - ECONOMIA

B3 - CIÊNCIAS AMBIENTAIS

B3 - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA