A Influência dos Índices Socioeconômicos e Contábeis no nível de Transparência Eletrônica dos Estados Brasileiros sob a ótica da Teoria da Escolha Pública

Clovis Fiirst, Juliano Francisco Baldissera, Estella Beatriz Martins, Suellen Amabile Agnoletto Nascimento

Resumo


O estudo tem como objetivo analisar a influência de variáveis socioeconômicas e contábeis no nível de transparência eletrônica dos estados brasileiros após a LAI sob a ótica da Teoria da Escolha Pública. Para tanto, utilizou-se dos dados anuais de 2011 a 2015, em que foi possível estimar uma regressão linear múltipla com dados em painel. Os resultados indicam que o desenvolvimento estadual, a execução orçamentária corrente, a liquidez e os gastos com pessoal influenciam positivamente o nível de transparência eletrônica dos estados. Essas constatações ressaltam os comportamentos dos gestores públicos pelos pressupostos da Teoria da Escolha Pública. Portanto, estes agentes preocupam-se em disponibilizar informações aos cidadãos quando essas trazem o resultado positivo financeiro ao estado. A transparência pública corrobora na mitigação da assimetria de informação entre os gestores públicos e sociedade.


Palavras-chave


Transparência Eletrônica Estadual, Características Socioeconômicas, Variáveis Contábeis, Teoria da Escolha Pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Behn, R. D. (1998). O novo paradigma da gestão pública e a busca da accountability democrática. Revista do Serviço Público, 49(4), 5-45.

Bellver, A., & Kaufmann, D. (2005) Transparenting transparency: initial empirics and policy applications. World Bank Policy Research Working Paper, (forthcoming) (Washington). Disponível em Acesso em: 25/03/2017.

Beuren, I. M. (2008). Trajetória da construção de um trabalho monográfico em Contabilidade. In: BEUREN, Ilse Maria. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em Contabilidade: teoria e prática (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Buchanan, J. M., & Tullock, G. (1962). The calculus of consent(Vol. 3). Ann Arbor: University of Michigan Press.

Buchanan, J. M. (2003). Public choice: The origins and development of a research program. Champions of Freedom, 31, 13-32.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1998). Brasília. Recuperado em 11 dezembro, 2017, de https://goo.gl/gh99L8

Campello, C. A. G. B. (2003). Eficiência municipal: um estudo no estado de São Paulo. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Carvalho, M. C M. (1988). Construindo o saber: metodologia científica. Campinas: Papirus.

Cruz, C. F., Silva, L. M., & Santos, R. (2010). Transparência da gestão fiscal: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios do Estado do Rio de Janeiro. Contabilidade, Gestão e Governança, 12(3), 102-115.

Cruz, C. F. (2010. Transparência da gestão pública municipal: referenciais teóricos e a situação dos grandes municípios brasileiros. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Cruz, C. F.; Ferreira, A. S.; Silva, L. M.; & Macedo, M. S. (2012). Transparência da gestão pública municipal: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 46(1), 153-76.

Costa, G. P. C. L., Freire, F. S., Gartner, I. R., & Clemente, A. (2013). As escolhas públicas orçamentárias federais no PPA 2008-2011: uma análise da perspectiva do modelo principal-agente. Revista de Administração Pública, 47(5), 1089-1116.

Dias, M. A. (2009). James Buchanan e a “Política” na escolha pública. Rev. Ponto e Vírgula, São Paulo, 6, 201-217.

Diniz, V. A história do uso da tecnologia da informação na gestão pública brasileira através do CONIP – Congresso de Informática Pública. In: Congresso Internacional Del CLAD sobre La Reforma Del Estado y de La Administración Pública, 10., Anais... Santiago, Chile, 2005

Diniz, J. A.; Martins, V. G.; & Neves, A. C. D. (2015). Determinantes socioeconômicos da transparência fiscal. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, SP, Brasil, 15.

Frezatti, F., Rocha, W., & Nascimento, A. R. (2009). Controle gerencial: uma abordagem da contabilidade gerencial no contexto econômico, comportamental e sociológico. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 07/10/2017.

Lourençon, C. (2001). O orçamento municipal como elo de ligação entre o planejamento operacional e as finanças. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Macedo, J. J.; Corbari, E. C. (2009). Efeitos da lei de responsabilidade fiscal no endividamento dos municípios brasileiros: uma análise de dados em painéis. Revista Contabilidade & Finanças, 20(51), 44-60.

Mello, G. R. (2009). Estudo das práticas de governança eletrônica: instrumento de controladoria para a tomada de decisões na gestão dos estados brasileiros. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Lei Complementar Federal Nº 101, de 4 de maio de 2000 (2000). Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Portal da Legislação: Leis Complementares. 2000. Disponível em: . Acesso em: 22/07/2017.

Lei Complementar Federal nº 131, de 27 de maio de 2009 (2009). Disponível em: . Acesso em: 22/07/2017.

Lei nº 12.527, de novembro de 2011 (2011). Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º. Portal da Legislação: Leis Ordinárias. Disponível em: Acesso em: 22/07/2017.

Pevorano, D. J. (2014). Manual de Metodologia Científica. Curitiba: Jeruá.

Pina, V., Torres, L., & Acerete, B. (2007). Are ICTs promoting government accountability?: A comparative analysis of e-governance developments in 19 OECD countries. Critical Perspectives on Accounting, 18(5), 583-602.

Prado, O. (2009). Governo eletrônico, reforma do estado e transparência: o programa de governo eletrônico do Brasil. Tese de Doutorado, Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2009.

Prado, O., & Garcia Loureiro, M. R. (2006). Governo eletrônico e transparência: avaliação da publicização das contas públicas das capitais brasileiras. Revista Alcance, 13(3), 355-372.

Richardson, R. J. (1989) Pesquisa social: métodos e pesquisa (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Rothberg, D. (2008). Por uma agenda de pesquisa em democracia eletrônica. Opinião Pública, 14(1), 149-172.

Rückert, I. N., Borsatto, M. L., & Rabelo, M. (2002). As finanças municipais e os gastos sociais no Rio Grande do Sul, 1995-99 (No. 50). Secretaria da Coordenação e Planejamento, Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser.

Santos, S. R. T., & Alves, T. W. (2011). O impacto da Lei de Responsabilidade Fiscal no desempenho financeiro e na execução orçamentária dos municípios no Rio Grande do Sul de 1997 a 2004. Revista de Administração Pública, 45(1), 181-208.

Sartori, G. (2001). Homo Videns. Televisão e pós-pensamento. Bauru: EDUSC.

Silva, E. M.; Silva, E. M. Gonçalves, V., & Murolo, A. C. (1997). Estatística: para os cursos de Economia, Administração e Ciências Contábeis (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Souza, F. J. V., Barros, C. C., Araujo, F. R., & Silva, M. C. (2013). Índice de transparência municipal: um estudo nos municípios mais populosos do Rio Grande do Norte. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 3(3), 94-113.

Stiglitz, J. E. (1999). On liberty, the right to know and public disclosure: the role of transparency in public life. Oxford: Oxford Amnesty Lecture.

Sturges, P. (2004). Corruption, transparency and a role for ICT?. International Journal of Information Ethics, 2(11), 1-9.

Tullock, G., Seldon, A., & Brady L. G. (2002). Government failure: a primer in public choice. Washington: Catho Institute.

Zuccolotto, R., & Teixeira, M. A. C. (2014). As causas da transparência fiscal: evidências nos estados brasileiros. Revista Contabilidade & Finanças, 25(66), 242-254.




DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v10i4.2008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Administração Pública e Gestão Social e-ISSN: 2175-5787

Editora: Universidade Federal de Viçosa

Google Scholar: Índice h5 6

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

 

 

QUALIS/CAPES

B1 - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO

B2 - CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

B2 - DIREITO

B2 - INTERDISCIPLINAR

B2 - PSICOLOGIA

B2 - SERVIÇO SOCIAL

B3 - ECONOMIA

B3 - CIÊNCIAS AMBIENTAIS

B3 - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA